Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Nowhere boy

Essa dica eu peguei no blog da querida Ana Maria Bahiana

Desde já estou ansioso pelo resultado final...

Veja o trailer.

Rush



Eu tinha uma certa birra do Rush.

Não sei porque.

Talvez por ouvir “Tom Sawyer” um milhão de vezes... Sei lá...

Quem me livrou dessa birra foi uma amiga.

Que tinha todos os discos da banda, importados, diga-se de passagem, ela gostava de afirmar.

Comecei ouvindo “Counterparts”, de 1993. Para muitos um álbum fraco na extensa discografia, mas que me serviu de referência, pois era até então (acho que continua) sendo um dos discos mais pesados do Rush.

Gosto muito desse disco.

Muito mesmo. Sempre que ouço, canto as músicas e as batidas na cabeça e de cor, coisa rara em se tratando de mim, mente fraca...

Depois desse “aperitivo”, comecei a degustar os clássicos.
Fly by Night (1975), “Caress of Steel (1975), “2112 (1976),  “A Farewell to Kings (1977) e por aí vai….

E fui percebendo que era uma tremenda birra mesmo que eu tinha, sabe-se lá com o que, pois a cada álbum que eu ouvia, ia descobrindo preciosidades e cada vez mais, me deliciando com as letras e principalmente com a técnica de Geddy, Neil e Alex. Músicos fantásticos a serviço do rock.

“Counterparts” continua sendo o meu preferido. Acho que pela maneira que me pegou despercebido, sempre me lembro com carinho da época em que o ouvi pela primeira vez. E o disco é ROCK assim mesmo, em Caps Lock!

Para quem quer começar a ouvir o Rush, sugiro o “Rush In Rio”, que trás os clássicos, tocados ao vivo e em uma apresentação fantástica do Rio de Janeiro.

Para o “Counterparts”, clique aqui.

E para saber mais do Rush, aqui

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Slipknot


A primeira música que ouvi do Slipknot foi Spit It Out. Confesso que não me empolguei muito. Vendo o clipe me empolguei menos ainda. Um bando de mascarados, em um videoclipe tributo ao filme “O Iluminado”, sei lá.... Deixei quieto.

Tempos depois encontrei uma resenha do segundo disco dos caras, intitulado “Iowa”. O texto falava muito bem do disco, destacando o peso e a originalidade do som.

Fui atrás e recebi um tapa na orelha! Realmente o peso tomava conta de todos os espaços reservados ao som. Não encontrei toda a originalidade que o crítico havia ressaltado, mas realmente havia algo a mais naquela banda de mascarados que pareciam ter saído de um conto de horror.

Esse continua sendo até hoje meu disco favorito do Slipknot. Uma banda com claras influências do som do nosso Sepultura, afinal, que outra banda de metal usa percussão no seu som? É nítida a influência do disco Roots em todo o trabalho dos metaleiros mascarados.

Depois de Iowa, com o território devidamente demarcado, o Slipknot lança seu terceiro trabalho, Vol. 3: The Subliminal Verses, que mantém o som característico da banda e ajuda a angariar mais fãs para a lunática e já mundialmente seita de adoradores dos 9 mascarados.

Em 2008 chega as lojas All Hope is Gone, quatro e até agora mais recente trabalho da banda, que vendeu muito bem, mas não é tão bom como os dois precedentes.

Nota triste no presente da banda é o falecimento do seu baixista e um dos fundadores do Slipknot, Paul Gray. Ainda é indefinida a causa da morte do músico, e os integrantes tiraram as máscaras em uma emocionada conferência de imprensa em homenagem ao amigo.

Mais Slipknot nos links abaixo








domingo, 16 de maio de 2010

LUTO - Ronnie James Dio


Na manhã desse domingo morreu, aos 67 anos, decorrente de um câncer estomacal, Ronnie James Dio, lendário vocalista de heavy metal, que marcou seu nome na história do rock ao fazer parte do Black Sabbath e do Rainbow, além de ter uma carreira solo muito bem solidificada.

Mais notícias, clique aqui

Para saber mais sobre a lenda, clique aqui

Para sacudir o esqueleto e balançar a juba reverenciando o mestre, assista aos clipes de Dio abaixo

RIP

http://www.ronniejamesdio.com/







quinta-feira, 6 de maio de 2010

Diretores de videoclipe - Romain Gavras


Para os cinéfilos o sobrenome Gavras não tem mistério, ele logo remete ao cineasta Costa-Gavras, famoso por seus filmes com teor político. (caso queiram uma demonstração do talento dele podem assistir “O Quarto Poder” com Dustin Hoffman e John Travolta).

Seu filho, Romain Gavras ainda não tem uma carreira consolidada no cinema, mas vem fazendo muito barulho com a direção dos seus videoclipes.

O seu último é o mais discutido do momento, “Born Free” da cantora M.I.A. foi acusado e defendido na mesma proporção devido ao alto conteúdo de violência.

Não menos violento “Stress” do Justice também criou polêmica ao retratar uma gangue de jovens arruaceiros em ação.

O fato é que esse jovem francês de 28 anos, independente das polêmicas ao seu redor e do seu sobrenome famoso, sabe como fazer em poucos minutos uma música virar filme. É muito bom ver artistas como ele colocando em prática a sua visão e por conseqüência entregando à nós uma visão da obra de outro artista. E sempre pontuando com mensagens nem sempre tão óbvias, mas que estão sempre lá para “pescarmos”.

Se você tem curiosidade a respeito da pequena, ainda, obra videoclíptica de Gavras, clique aqui.

Confie em mim, todos valem uma olhada.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Dead Weather/ Omar Rodriguez Lopez

Essas duas eu “peguei” no blog do maia.




Jack White já tem na agulha o novo do Dead Weather, projeto extra curricular do cultuado guitarrista do White Stripes.

Ouvi as faixas direto do blog do maia e cheguei a seguinte conclusão. Não sei se pelo fato do vocal ser do Jack, ou o timbre da guitarra ser tão característico, todo projeto em que o cara se mete parece ser uma versão do White Stripes sem a Meg e com um baixo pontuando as batidas. Não que isso desmereça o trabalho, eu por exemplo, estou aqui remexendo o esqueleto enquanto escrevo essas linhas ao som de “Hussle and Cuss”.  Apenas falta um pouco de novidade no som que já tornou-se referência para as novas (boas) bandas surgidas nesse novo milênio.

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++



Você conhece o At The Drive In?, The Mars Volta?, não? Então está perdendo a chance de ver/ ouvir um dos melhores guitarristas da atualidade em ação.

Omar Rodriguez-Lopez é dono de uma técnica ao mesmo tempo anárquica e complexa, que muitos podem sentir dificuldade ao ouvir pela primeira vez, mas que com o passar do tempo vão tornando-se obrigatória no playlist.

Omar sentiu o gosto do mainstream ao fazer parte da banda At The Drive In. Junto com seus parceiros, Cedric Bixler Zavala, Jim Ward, Paul, Hinojos e Tony Hajjar lançaram discos que influenciaram todo esse “movimento” indie/ emo do início dos anos 2000. Porém, diferente dessas bandinhas, o som do ATDI era uma fusão de hardcore com eletrônica e até pitadas de Jazz, culpa da formação eclética de seus integrantes.

Depois do fim do At The Drive In, Omar e o vocalista Cedric Bixler fundaram o The Mars Volta, banda que tinha o duo como pilar e outros integrantes como contratados ou convidados caso de John Frusciante, excelente guitarrista do Red Hot Chilli Peppers.

No The Mars Volta, Omar sentiu-se à vontade para colocar toda a sua influência psicodélica em ação, compondo músicas viajantes com diferentes tons de guitarra e sintetizador. Como dito anteriormente, um som de difícil digestão mas que se mostra indispensável depois do costume aos ouvidos.

Omar juntou-se ao parceiro John Frusciante e estão lançando seu primeiro álbum em parceria. Simplesmente obrigatório!


E se quiser, faça do download, é de grátis!!!!!

Bons sons vindo na faixa é coisa muito boa para deixar passar....

Ah!. Caso queira pagar, a sua quantia, qualquer que seja, será destinada a um fundo educacional chamado "Music In School", parceria dos dois guitarristas.

terça-feira, 4 de maio de 2010

Novo Beastie Boys em Setembro

Disco novo dos Beastie Boys é sempre uma boa notícia

"Hot Sauce Committee Pt. 1" deve sair em Setembro de 2010.

Vamos aguardar!!

http://musica.uol.com.br/ultnot/2010/05/04/beastie-boys-finaliza-novo-album-que-deve-ser-lancado-em-setembro.jhtm

Enquanto isso ficamos com um clipe do último trabalho dos caras "The Mix-Up". A música, “Off The Grid”.



M.I.A. - Born Free

Precisamos de mais vídeos como o que você verá abaixo.

Não pela explicitação da violência, mas por mostrar de forma crítica e artística a realidade atual.

M.I.A. - Born Free

http://www.miauk.com/

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Soundtrack of Dave


Vasculhando as minhas músicas encontrei um dado interessante. Tenho muita coisa do Dave Grohl em outras bandas. Seja como convidado ou em projetos paralelos, o hiperativo Dave tá em todas.

Com esse material todo em mãos, decidi fazer um soundtrack of Dave. A lista das músicas segue abaixo:

  1. Nirvana – Drain You
  2. Foo Fighters – All My Life
  3. Brian May & Dave Grohl (Missão Impossível 2 – Trilha Sonora) – Have A Cigar
  4. Iommi (disco solo de Tommy Iommi) – Goodbye Lament
  5. Queens Of The Stone Age – A Song For The Dead
  6. Probot – My Tortured Soul
  7. Killing Joke – Asteroid
  8. Them Crooked Vultures – Scumbag Blues
  9. Slash – Watch This

Essa é uma pequena lista de artistas que já contribuíram com, ou que Grohl já contribuiu. Tem muito mais por aí...

Link para download das músicas