Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Foo Fighters - Greatest Hits



A qualidade musical do Foo Fighters é indiscutível. Negar isso seria atirar contra meu próprio peito. A banda tem muito apelo pop sem largar o cetro do rock n’ roll.

Mas é fato também que a banda tem uma obra bem irregular. Discos como o primeiro, homônimo, ou o segundo “The Colour and the Shape” são exceções carregadas de hits e músicas bem alocadas dentro em um trabalho como um todo. No geral os discos são bem fragmentados e perdem o ritmo ao longo da execução

Por isso uma coletânea agora é muita bem vinda. “Foo Fighters – Greatest Hits” tem tudo o que um desconhecido da banda, um apenas admirador, ou um fã ardoroso precisa. Hits enfileirados e cheios de energia para saciar a vontade de qualquer louco por Foo. E o mais importante, a peteca não cai em nenhum momento do disco.

O disco trás tudo o que a banda fez de bom ao longo desses anos e álbuns lançados. Não tem uma música chata!!; Nada é descartável. Tiro certeiro!!.

Um dado interessante é que das dezesseis faixas, apenas duas (“This is a Call” e “Word Forward”) não tem um videoclipe de estúdio, marca registrada da banda e ponto alto de muitas de suas músicas como, por exemplo, a fantástica “Everlong” de Michel Gondry e a emocionante “My Hero” dirigido pelo próprio Dave Grohl.

A seqüência das músicas você pode encontrar no endereço abaixo, site da banda.

http://www.foofighters.com/us/music/greatest-hits



E se ficou curioso em ver ou rever os fantásticos e hilariantes videoclipes da banda, acesse:

http://foofightersbr.com/?page_id=101



Até

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Site trilhas sonoras




Trilhas sonoras de filmes podem ser tão boas e às vezes até melhores do que os filmes em questão.

O site trilhas sonoras é uma boa dica para quem está garimpando aquela trilha que valeu tanto ou mais do que o ingresso do filme.

http://www.trilhassonoras.com/

Supersuckers não vem mais

Já ouviu supersuckers?

Não?

Então primeiro dê uma checada.



Bom né?

Pois é, os caras estavam de malas prontas para desembarcar no Brasil mas um problema nos vistos deixaram os fãs brazucas na mão.

Pela reportagem achei que os caras da banda poderiam ter um pouco mais de força de vontade, mas preferiram voltar para L.A. e curtir o feriado com a família.

O link da reporatgem tá aqui http://musica.uol.com.br/ultnot/2009/11/24/the-supersuckers-cancela-shows-no-brasil-por-problemas-com-passaporte.jhtm

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Kasabian


Fiquei muito curioso para saber o que era o Kasabian.

Após ouvir os discos e ver algumas apresentações da banda pela TV e/ou pela Net cheguei a uma conclusão. Os caras são tudo que o rock britânico produziu dos anos 80 para cá. Anos 80 não, Início dos 90 em diante.

Ouvindo a banda você rapidamente lembra de: Stone Roses, Blur, Oasis, Charlatans UK, Pulp, Suede, e por aí vai.

O novo disco da banda, “West Ryder Pauper Lunatic Asylum” é um apunhado dessas influências. Mas o que era para ser, no mínimo um resumo de boas influências tornou-se uma chatice sem personalidade.

A banda começa bem com “Underdog” e “Why Did All The Love Go” mas o gás acaba por aí. De “Swarfiga” em diante a peteca cai. Ameaça levantar com a também boa “Fire” mas aí o jogo já está perdido.

E o Kasabian vai levando o jogo em banho Maria, acertando aqui e ali e fazendo-nos esperar um “The Best of”.

Gov't Mule - By a Thread


Gov’t Mule novo na área!

By a Thread, novo lançamento da banda liderada pelo fantástico guitarrista Warren Haynes vem recheado do que já conhecemos bem. Southern Rock, Blues Rock, Fusion e o que mais se enquadrar com a mente e a habilidade de Mr. Haynes e camaradas.

Esse disco é um pouco mais voltado as origens uma vez que o último lançamento de estúdio , High And Mighty, de 2006, era muito mais radiofônico do que a maioria dos trabalhos da banda até então. Isso provocou a ira dos mais puristas, mas agregou muito mais fãs a cartela dos aficcionados pelos timbres precisos de guitarra, pela bateria monstro e pelo baixo cortante do Gov’t Mule.

Para mim, está tudo como sempre foi.

Perfeito

Enjoy it!

Trilha

Trilha para o final de semana

Com base no que andei ouvindo essa semana, aconselho a seguinte trilha sonora para esses dois dias de folga a vir...

01. Black Drawing Chalks – My Favorite Way
02. Frank Zappa – Willie The Pimp
03. Gov’t Mule – Inside Outside Woman Blues 3
04. Kasabian – Underdog
05. Macaco Bong – Amendoim
06. The Last Shadown Puppets – Standing Next To Me
07. Them Crooked Vultures – Scumbag Blues

Tem para todos os gostos. Stoner, Rock/ Fusion, Blues/ Rock, Britpop e por aí vai…

Abraço!

Them Crooked Vultures – O álbum


1. No One Loves Me & Neither Do I
2. Mind Eraser, No Chaser
3. New Fang
4. Dead End Friends
5. Elephants
6. Scumbag Blues
7. Bandoliers
8. Reptiles
9. Interlude With Ludes
10. Warsaw Or The First Breath You Take After You Give Up
11. Caligulove
12. Gunman
13. Spinning In Daffodils

A primeira faixa “No One Loves Me & Neither Do I” é Queens of the Stone Age TOTAL. Talvez pelo timbre de voz de Josh Homme, pela afinação das guitarras ou talvez pelos dois.

“Mind Eraser, No Chaser” já tem uma mistura de Foo com Queens. O backing vocal de Dave Grohl e as guitarras mais rock/ pop ditam essa segunda faixa.

Com “New Fang” a banda começa a mostrar a sua particularidade e personalidade própria. Batida cadenciada, o baixo de Mr. John Paul Jones marcando o passo com precisão e Josh deixando a voz menos carregada com o timbre que já conhecemos bem nos faz pensar que realmente essa é uma banda nova, e das boas!!

O resto do disco segue com a mesma pegada. Instrumental impecável, o clássico do rock encontrando o novo rock. “Scumbag Blues” é o exemplo perfeito que alia todas essas características e qualidades.

A banda não é impressionante como as bandas dos seus integrantes. O que o Led Zeppelin criou nunca será superado, o que o Foo Fighters conseguiu assim como o Queens of The Stone Age para um mercado em decadência como está o fonográfico é de se bater palmas. Them Crooked Vultures chega para nos mostrar que ainda é possível fazer música com cérebro e ainda sim tocar na rádio.

Parabéns rapazes.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Benett

A charge abaixo está no blog do benett. Passei lá e encontrei outras pérolas. Visitem:

http://chargesdobenett.zip.net/

Ela foi expulsa

A aluna Geisy Arruda da Universidade Bandeirante (Uniban) foi expulsa depois do barraco que deu sua ida a faculdade com um vestido curto.

Polêmicas a parte achei essa charge na net. Ela fala por si só.

Charge by Benett

Lenny é cool

Chame ele do que quiserem, podem dizer que ele não é rock nem funk, nem preto nem branco, sem sal nem açucar, mas uma coisa Lenny Kravitz é: COOL.

Escute “ It Ain't Over 'Til It's Over”. Se, ao final você sentir-se ao menos um pouco mais fodão, isso significa que Lenny fez seu trabalho.

Não tenho a discografia toda do cara, nem dou muita bola para o trabalho dele, mas sempre que estou meio down, ponho pra rolar um track list que montei somente com as “mais tocadas” de Mr. Kravitz e tudo parece ficar mais fácil.

Lenny is cool, feel it!

01 – Mr. Cab Driver
02 – Blues For Sister Someone
03 – Aways On The Run
04 - It Ain't Over 'Til It's Over
05 – Are You Gonna Go My Way
06 – Rock N’ Roll Is Dead
07 – Can’t Get You Off My Mind
08 – I Belong To You
09 – Fly Away
10 – American Woman
11 – Again
12 – Stillness Of Heart
13 – Dig In
14 – California
15 – Where Are You Running
16 – I’ll Be Waiting
17 – Dancin’ Til Dawn

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Top 10 Discos (Da minha vida)

Essa lista é baseada em discos que marcaram a minha vida rock n’ roll. Não necessariamente são os “The Best” mas, por algum motivo, quando lembro da minha vida musical até aqui são eles que me aparecem na mente.

Coloquei-os em ordem cronológica de lançamento.

1. Machine Head – Deep Purple

Lançado em Março de 1972, esse disco do Deep Purple me marcou muito por ser um dos mais pesados e técnicos álbuns que já ouvi na minha vida. É clássico atrás de clássico, paulada atrás de paulada. Lembro-me de colocar o LP pra tocar na casa da minha avó e ter que usar os fones de ouvido, pois ela não suportava a voz do Ian Gillan e as guitarras frenéticas do mestre Ritchie Blackmore.

2. Piece of Mind – Iron Maieden

É incrível a força que esse disco tem para mim ainda nos dias de hoje. Eu não passo uma semana sem ouvir ao menos uma faixa desse discaço do Iron lançado em 21 de Setembro de 1983. Lembro-me exatamente que no dia em que o ganhei, na verdade era para levar apenas um outro (que ainda será citado aqui nessa lista), mas me encantei com aquela capa apavorante de um Eddie amarrado em uma camisa de força e mostrando tanto ódio e pavor ao mesmo tempo. Eu tinha dez anos...

Obs: Tico e Márcio desculpem-me pelos anos de maus tratos aos ouvidos tentando cantar as letras a plenos pulmões.

3. Appetite for Destruction – Guns n’ Roses

Definitivamente O disco que marcou o final da minha infância e começo de adolescência. Lançado no dia 16 de Julho de 1987 esse trabalho de Axl e cia chegou aos meus ouvidos primeiramente pelas mãos de um primo. Aquela mistura de punk com hard me seduziu imediatamente. As guitarras de Slash e Izzy, as loucuras de Axl Rose, toda a muvuca que a banda fez no final dos 80 e começo dos 90 nunca mais se repetiu no mundo rock n’ roll.

4. Duplo Sentido – Camisa de Vênus

Lançado para ser o último álbum de estúdio da banda liderada pelo excelente Marcelo Nova, Duplo Sentido foi colocado na praça em Outubro de 1987. Eu já estava contaminado pelo vírus do Camisa há tempos. Discos como “Viva” e “Correndo o Risco” já freqüentavam a minha vitrola em doses cavalares. Mas quando soube que o “Duplo” seria o último da banda e que seria de fato “DUPLO” não tive como agüentar. Enchi o saco dos meus pais para tê-lo e depois disso acho que perdi a minha inocência. Letras bem feitas (como sempre), instrumental minimalista e preciso e uma viceridade característica desses baianos fizeram desse disco um clássico da minha coleção. Detalhe: Piece of Mind veio de lambuja no dia em que fui comprar esse LP (Santa Graça!).

5. The Razor’s Edge – AC/DC

Fiquei sabendo desse lançamento em um jornal de São Paulo. Nessa época eu dava um suporte à uma tia vendendo coxinhas em um colégio e ganhava uns trocados (os primeiros). Juntei a grana necessária e comprei esse que foi a minha primeira aquisição sem a ajuda de pais, tios ou primos.
Lançado em 21 de Setembro de 1990, The Razor’s Edge mostrava um AC/DC cheio de vigor e um Angus Young enlouquecido no controle das cordas da sua Gibson SG. Ele foi o meu primeiro Guitar Hero.... Só a introdução de Thunderstruck já deveria valer o lugar do figura no hall da fama dos guitarristas.

6. Arise – Sepultura

02 de Abril de 1991. Esse dia é um marco para o Heavy Metal brasileiro Nesse dia foi lançado “Arise”, quarto disco de estúdio do Sepultura, a banda que levou a música brasileira a outro patamar mundo afora. Até ouvir “Orgasmatron”, cover do Motorhead gravado por eles nesse disco, meu conhecimento de música pesada se restringia aos discos que coloquei nessa lista até agora. Heavy Metal inglês, Hard Rock americano e afins. O Sepultura veio para mudar tudo: letras, acordes, performance, tudo era genuíno e novo para mim. O show de despedida da banda, que estava indo para uma bem sucedida turnê mundial, na praça Charles Miller – Pacaembu – SP, foi apoteótica (e também violenta, infelizmente)

7. Black Álbum – Metallica

Existem duas fases no Metallica. Antes e depois de Black Álbum. Antes a banda era adorada por introduzir, junto com Slayer, o gênero Trash dentro do Heavy Metal. Depois a banda além de carregar esse piano com muita competência conseguiu fazer seu som chegar a milhões de pessoas, que nunca haviam ouvido um som do Metallica. Eu estava dentro dessa maioria. Já ouvia Sepultura, mas não imaginava que eles eram influenciados por uma banda tão poderosa. Devido ao Black Álbum fui atrás de toda a discografia lançada até então e fiquei impressionado. Técnica, vigor, paulada com muita propriedade. Metallica carrega até hoje a sua fama mundial graças a Black Álbum. E o Trash Metal agradece por esse lançamento de Agosto de 1991.

8. Ten – Pearl Jam

Apesar de o grande nome do Grunge nos anos 90 ter sido o Nirvana, eu nunca fui muito fã da banda. Adoro o acústico e só. Mas esses moleques (hoje tiozinhos) do Pearl Jam me pegaram de jeito. Na verdade eles, Soundgarden e Alice in Chains foram a minha discoteca maior desse gênero de Seattle que invadiu rádios e TV’s no início dos 90 e que dita moda até hoje. "Ten" é o mais pop dos discos lançados pela banda e por isso o que mais tocou e passou nos canais de videoclipes. Tocou tanto que cansou, mas até aí o estrago já tinha sido feito e a semente já tinha sido plantada. O Pearl Jam com "Ten" mostrou um rock clássico, misturado com o punk/ indie e isso tudo virou pop.

9. Achtung Baby – U2

Não sou fã do U2, confesso que não ouço muito esse disco. Mas sempre que o ouço percebo algo diferente. Não sei o que aconteceu com a banda, a história diz que esse foi um disco perturbado, quase fez a banda acabar. Detalhes a parte esse álbum lançado em 19 de Novembro de 1991 mudou os rumos musicais do U2. E também os meus, mais flexíveis desde então. Talvez por isso ele seja tão importante para mim.

10. Definitely Maybe – Oasis

Muita gente odeia o Oasis, plágio mal feito dos Beatles, banda de armação, etc, etc, etc... Confesso que hoje tenho minhas ressalvas com a banda mas, em Agosto de 1994, fui pego pelos pés por esses irmãos ingleses cheios de pose, mas com o amplificador ligado no máximo. “Definitely” tem tudo o que uma banda de rock precisa para ser alçada a fama. Boas composições, bons arranjos e o mais importante de tudo, integrantes que causam polêmica e ajudam a alavancar as vendas. Esse primeiro álbum dos irmãos Gallagher me abriu a mente para outros horizontes, recheados de psicodelia, melodias e sotaque britânico.

Música é algo muito pessoal. Tem pessoas que ouvem de tudo, tem outras que não ouvem nada e tem aquelas que ouvem o que é importante para elas. Até hoje não sei em que categoria me encontro, mas sei que tenho paixão por ela. As vezes chega a ser frustrante não corresponder aos meus anseios musicais. Quando chega essa hora eu coloco um desses discos acima citados para tocar e tudo parece mais fácil

Com certeza essa lista vai crescer, mas os artistas que aqui estão e seus respectivos trabalhos nunca sairão do seus lugares.

Terminando...

Se fosse para fazer um track list de bate pronto seria o seguinte:

1. Deep Purple - Lazy
2. Iron Maiden - Still Life
3. Guns n' Roses - Paradise City
4. Camisa de Vênus - Chamam isso Rock n' Roll
5. AC/DC - Thunderstruck
6. Sepultura - Orgasmatron
7. Metallica - Wherever I May Roam
8. Pearl Jam - Even Flow
9. U2 - Who's Gonna Ride Your Wild Horses
10. Oasis - Supersonic

Até